Comunicados

Pensar. Comer. Conservar: PNUMA, FAO e parceiros lançam campanha global contra o desperdício de alimentos
22 de janeiro de 2013
 

Logo Pensar Comer Conservar

 

 

Consumidores, indústria e governos têm papel fundamental para reduzir as 1,3 bilhão de toneladas de comida descartadas anualmente

 

Genebra, 22 de janeiro de 2012 – Atitudes simples podem reduzir drasticamente as 1,3 bilhão de toneladas de comida desperdiçadas a cada ano. É o que defende a campanha global contra o desperdício de alimentos que o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) lançam hoje.

 

Com o tema Pensar. Comer. Conservar. Diga não ao desperdício, a iniciativa está ligada à SaveFood Initiative, ação organizada pela FAO e pela Messe Düsseldorf, para combater a perda de alimentos, e com o Desafio Fome Zero, do Secretário Geral da ONU, Ban Ki-moon. A campanha se dirige especialmente aos consumidores, comerciantes e outros componentes dos setores da gastronomia e da hospedagem. 

 

Participam também organizações como a WRAP UK – de incentivo à reciclagem – e Feeding the 5000 – que distribui alimentos que seriam descartados –, além de outros parceiros, incluindo governos nacionais com ampla experiência em políticas contra o desperdício.

 

A campanha Pensar. Comer. Conservar. será composta por diversas ações pelo mundo que serão reunidas em um portal, que pode ser acessado pelo endereço www.thinkeatsave.org.

 

Cerca de um terço dos alimentos produzidos no mundo é perdido durante os processos de produção e venda, um desperdício equivalente a 1 trilhão de dólares, de acordo com informações da FAO.

 

“Em um mundo com uma população de 7 bilhões de pessoas, que deve chegar a 9 bilhões até 2050, o desperdício de alimento não faz sentido, seja do ponto de vista econômico, ambiental ou ético”, afirma o Diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner. “Além da perda de produção, são desperdiçados também recursos como água, terras cultiváveis, insumos agrícolas e tempo de trabalho – sem contar a geração de gases-estufa pela comida em decomposição e pelo transporte dos alimentos. Para termos uma vida verdadeiramente sustentável, precisamos transformar a maneira como produzimos nossos alimentos”, acrescenta.

 

“Nas regiões industrializadas, quase metade da comida descartada, cerca de 300 milhões de toneladas por ano, ainda está própria para o consumo. Essa quantidade é equivalente a toda a produção de alimentos da África Subsaariana e suficiente para alimentar 870 milhões de pessoas”, informa o Diretor Geral da FAO, José Graziano da Silva. “Se as perdas durante a colheita, estocagem e transporte de alimentos forem reduzidas, e se fizermos alterações profundas na maneira que as pessoas compram comida, poderemos ter um mundo mais saudável e sem pessoas com fome”, completa.

 

O modelo de produção de alimentos causa implicações profundas no meio ambiente. Os excessos só torna a situação mais preocupante, como mostram os dados a seguir:

 

        Mais de 20% das terras cultiváveis, 30% das florestas e 10% dos pastos no mundo estão degradados;

        Pelo menos 70% da água consumida no mundo é utilizada pela agricultura;

        A produção de alimentos consome, globalmente, quase 30% da energia disponível para usuários finais;

        A agricultura contribui com mais de 30% das emissões globais de gases de efeito estufa;

        Por conta da pesca descontrolada, 30% das áreas pesqueiras são consideradas esgotadas.

 

A campanha é resultado da Rio+20. Na conferência, chefes de Estado aprovaram o lançamento de uma série de iniciativas para incentivar a produção e o consumo sustentáveis. Um dos pontos essenciaisde atuação é na produção alimentar, dada a necessidade de alimentar uma população global em crescimento e reduzir o impacto ambiental.

 

“Não há um segmento mais emblemático para se atuar por um mundo mais sustentável e eco-eficiente. E também não há outra causa comum que possa unir países dos hemisférios Norte e Sul, consumidores e produtores”, opina Achim Steiner.

 

Segundo análise da FAO, 95% da perda de alimentos nos países em desenvolvimento ocorre nos estágios iniciais da produção, principalmente por conta das limitações financeiras e técnicas. Dificuldades para armazenamento, infraestrutura e transporte também contribuem para a perda.

 

Já nos países desenvolvidos, o desperdício é mais significativo no fim da cadeia de produção. Nos mercados e pontos de venda, grandes quantidades de comida são descartadas por estarem fora dos padrões de aparência devido a práticas ineficientes e pela expiração das datas adequadas para consumo. Por parte dos consumidores, o desperdício está em adquirir mais do que pode ser consumido e no preparo de grandes quantidades de comida.  

 

Na Europa, América do Norte e Oceania, o desperdício per capita de alimento varia de 95 a 115 Kg por ano, enquanto na África Subsaariana e Sudeste Asiático, são jogados fora entre 6 e 11 Kg anuais. De acordo com a WRAP, uma família britânica poderia economizar 680 libras por ano (1.090 dólares) combatendo as perdas. A hotelaria do Reino Unido poderia deixar de gastar 724 milhões de libras (1.2 bilhão de dólares) adotando a mesma estratégia.

 

“No Reino Unido enfrentamos o desperdício conscientizando os consumidores e estabelecendo acordos com comerciantes, indústria e produtores. Com o crescimento populacional, teremos ainda mais pressão sobre os nossos recursos, e estamos honrados em ser parceiros do PNUMA e da FAO na campanha Pensar. Comer. Conservar., uma ótima maneira de tratar o problema de forma global”, diz a Presidente do WRAP, Liz Goodwin.

 

O desperdício de alimentos também é uma questão relevante para a União Europeia, e a Comissão Europeia já garantiu o seu apoio à campanha. “A UE estabeleceu a meta de reduzir pela metade a quantidade de alimento despediçada até 2020. A redução resultará em um uso mais eficiente da terra, um gerenciamento responsável dos recursos hídricos e terá um impacto positivo nas questões climáticas. Nosso trabalho se encaixa perfeitamente no lançamento dessa iniciativa”, comenta o Comissário Europeu para o Meio Ambiente, Janez Potočnik.

 

Para que a campanha atinja todo o seu potencial, é fundamental que diferentes públicos de interesse estejam envolvidos – famílias, supermercados, cadeias hoteleiras, escolas, clubes, CEOs, prefeitos e líderes nacionais e mundiais. O site da campanha oferece dicas simples, bem como uma plataforma para troca de informações, incentivando uma cultura global de consumo sustentável.

 

São fornecidas algumas informações voltadas para evitar o desperdício, reduzir o impacto ambiental e poupar recursos. Algumas delas são:

 

Para consumidores

 

        Compra inteligente: planeje quais ingredientes serão usados nas suas refeições, faça listas, compre direto de produtores, evite comprar por impulso e não caia em estratégias para adquirir mais do que o necessário.

 

        Frutas em formatos “divertidos”: muitos vegetais são descartados nos supermercadossimplesmente porque seu formato ou cores não estão “adequados”. Ao comprar esses alimentos em feiras livres e outros pontos de venda, você está adquirindo comida que poderia ser jogada fora.

 

        Compreenda as datas de validade: a frase “consumir preferencialmente antes de” não significa que o produto não pode mais ser consumido. Avalie bem antes de descartar.

 

        Sem relíquias na geladeira: Sites como o www.lovefoodhatewaste.com, do WRAP, ensinam receitas criativas para você utilizartudo o que comprou, mesmo o que está esquecido na geladeira.

 

        Outras ações sugeridas: congele, peça porções menores nos restaurante, não desperdice sobras de refeições anteriores (desde que estejam em condições de consumo); e doe para banco de alimentos, abrigos e outras instituições.

 

Para comerciantes e indústria hoteleira

 

        Comerciantes podem oferecer descontos para produtos próximos à data de validade, montar displays inteligentes e que evitem o desperdício, doar o excedente de alimentos, etc;

 

        Restaurantes, bares e hotéis podem repensar suas opções no menu e incluir porções menores, criar programas de conscientização para os funcionários e outras medidas;

 

        Supermercados, hotéis, restaurantes e administração pública podem usar o site para medir quanta comida é desperdiçada no dia a dia e estabelecer metas de redução.

 

 

NOTA AOS EDITORES

 

Pensar. Comer. Conservar. Diga não ao desperdício.

 

Visite o site www.thinkeatsave.org para mais informações em inglês sobre a campanha.

 

SaveFood Initiative

 

SaveFood é uma iniciativa global contra o desperdício de alimentos, uma perceria entre empresas e entidades para reduzir as 1,3 bilhão de toneladas de alimentos descartados todos os anos.

 

Para mais informações, acesse: www.fao.org/save-food/en/

 

Galeria de Fotos “One Third”, de Klaus Pilcher

 

A série de fotos faz uma conexão entre a perda individual de alimentos e a cadeia global de produção: 

www.kpic.at/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=45&Itemid=88

 

WRAP UK

 

WRAP UK é uma organização sem fins lucrativos fundada por representantes do Reino Unido e da União Europeia com foco no incentivo à reciclagem e combate ao desperdício. Para saber mais, acesse: www.wrap.org.uk/

 

Feeding the 5,000

 

A campanha Feeding the 5,000 promove eventos onde 5 mil refeições feitasa partir de ingredientes que seriam descartados são servidos de graça. Para mais informações, acesse: www.feeding5k.org/

 

Documentos relacionados

 

Documento do PNUMA sobre as implicações do atual padrão de consumo de alimentos na produção sustentável (em inglês): 

 

http://www.unglobalcompact.org/docs/news_events/upcoming/RioCSF/partner_deliverables/

Role_of_Global_Food_Consumption_Patterns.pdf

 

 

Programa do PNUMA para o Uso Eficiente de Recursos na Agricultura: 

www.unep.org/resourceefficiency/Home/Business/SectoralActivities/AgricultureFood/

tabid/78943/Default.aspx

 

CONTATOS

 

Para participar da campanha, entre em contato com:

 

Lucita Jasmin, Chefe de Eventos Especiais, PNUMA

+254 20 762 3401

lucita.jasmin@unep.org

 

Para mais informações:

 

PNUMA

Nick Nuttall, Chefe de Mídia

+41 795965737,+254733632755

nick.nuttall@unep.org

 

Centro de Notícias do PNUMA

+254 20 762 5211

unepnewsdesk@unep.org

 

Marcelo Tavela, Escritório do PNUMA no Brasil

+55 61 30389233

comunicacao@pnuma.org

 

FAO

Erwin Northoff

+39 348 25 23 616

erwin.northoff@fao.org

 

Charmaine Wilkerson

+39 06 570 56302

charmaine.wilkerson@fao.org

 

Obs.: Para melhor se adequar ao lema global, a versão em português da campanha Think.Eat.Save sofreu uma alteração em 14 de fevereiro. O tema passou a ser Pensar.Comer.Conservar – Diga não ao desperdício.

 

 

[Voltar]

02 de outubro de 2014

            Escritório do PNUMA no Brasil - UNEP Brazil Office - Oficina del PNUMA en Brasil            
Setor de Embaixadas Norte, Quadra 802, Conjunto C, Lote 17, CEP 70800-400 – Brasília/DF
Tel: (+55 61) 3038-9233 / Fax: (+55 61) 3038-9239 pnuma.brasil@pnuma.org

 

 


 

 

 

porno - sex izle porno izle - porno porno izle c99 shell